A DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA DA EMPRESA PARA FINS DE RESPONSABILIZAÇÃO DE DIRIGENTES E ADMINISTRADORES POR DANOS CAUSADOS AO MEIO AMBIENTE

Luciana Cristina de Souza, Clara Cordeiro Tupynambá Chaves

Resumo


O principal objetivo desde artigo é estudar as possibilidades e limites de responsabilização de agentes culpados, direta ou indiretamente, pela prática por danos causados ao meio ambiente. Analisou-se o porquê de o ordenamento jurídico ter se preocupado em atribuir personalidade jurídica às sociedades empresárias, perpassando para a necessidade de equilíbrio entre as atividades por elas desenvolvidas e o desenvolvimento sustentável por meio da preservação ambiental. Ao discorrer sobre o instituto da superação da personalidade jurídica, a presente pesquisa procurou compreender melhor os limites desse instituto, assim como da possibilidade de responsabilização dos sócios. A partir de então, analisou-se a responsabilização de terceiros estranhos à composição societária da personalidade jurídica objeto do pleito de desconsideração. O foco central é a proteção ao meio ambiente. O objetivo deste estudo é demonstrar extensão dos efeitos da desconsideração da personalidade jurídica da empresa para responsabilização dos sócios e administradores pela prática de danos ambientais. A metodologia escolhida foi teórico-documental, valendo-se de técnica dedutiva aplicada à pesquisa exploratória, o qual se justifica pela atualidade do tema.


Texto completo:

PDF

Referências


BRANDÃO, Pedro Rodrigo Cavalcante. Responsabilidade ambiental: análise dos fundamentos e instrumentos jurídicos para coibir lesões ao meio ambiente. Revista Acadêmica Escola Superior do Ministério Público do Ceará, p. 180 -182, 2019.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências.

BRASIL. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências.

BRASIL. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil.

BÜHRING, Marcia Andrea (org.). Responsabilidade civil-ambiental 2. Caxias do Sul, RS: Educs, 2019.

CAMPINHO, Sérgio. O direito de empresa à luz do novo Código Civil. 5. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2005.

MARTINS, Marcos Antonio Madeira de Mattos; COSTA, Alexandre Formigoni; MARTINS, Karla Cristina da e Silva de Mattos; ROSINI, Alessandro Marco. Crimes ambientais e sustentabilidade: discussão sobre a responsabilidade penal dos gestores e administradores de empresas. Revista Metropolitana de Sustentabilidade - RMS, São Paulo, v. 7, n. 3, p. 143-158, 2017.

MINAS GERAIS. Advocacia-Geral do Estado de Minas Gerais. Parecer 15.877, de 23 de maio de 2017. Disponível em: http://www.age.mg.gov.br/images/stories/downloads/advogado/Pareceres2017/parecer-15.877.pdf. Acesso em: 25 out. 2019.

SARLET, Ingo Wolfgang; FENSTERSEIFER, Tiago. Direito Constitucional Ambiental: Constituição, direitos fundamentais e proteção do ambiente. 3. ed. em e-book baseada na 5. ed. impressa. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

SILVA, Rafael Gomes Miranda da; BEZERRA, Tereza Cristina Pereira; GUIMARÃES, Patrícia Borba Vilar. A desconsideração da pessoa jurídica em casos de desastres ambientais: estudo de caso do rompimento da barragem em Mariana/MG.FIDES, Natal, v. 8, n. 1, 2017.

KÖHLER, Graziela de Oliveira. A aplicação da teoria da desconsideração da personalidade jurídica na responsabilidade civil ambiental. Revista do Curso de Direito da FSG. Caxias do Sul, ano 6, n. 11, p. 127 – 138, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2525-5096