AUTORITARISMO LÍQUIDO E AS NOVAS MODALIDADES DE PRÁTICA DE EXCEÇÃO NO SÉCULO XXI

Pedro Estevam Alves Pinto Serrano

Resumo


A percepção da presença do Estado autoritário no interior das rotinas democráticas, sobretudo em democracias recentes, em países de modernidade tardia e capitalismo periférico, como os da América Latina, é algo que não pode ser menosprezado pela teoria jurídica. Nesse campo, a análise se justifica quando se constata que, no século XXI, os mecanismos autoritários adotados pelo poder político inauguram uma lógica própria, se comparada ao autoritarismo estatal presente nas ditaduras e Estados totalitários do século XX, operando a coexistência de duas formas de Estado, que convivem simultaneamente em determinada sociedade: um Estado democrático de Direito, que se realiza formalmente na Constituição e está acessível apenas a uma parcela da sociedade – aquela economicamente incluída –, e um Estado de exceção, que não se assume juridicamente como tal, mas que é adotado como técnica de governo, a que também podemos chamar de governança permanente de exceção. A decisão sobre o Estado de exceção, teorizado por autores como Carl Schimitt, seria um exercício necessário da soberania, uma vez que preordenado à salvação nacional, em que, constatada a ameaça real ao Estado por um inimigo externo, decreta-se temporariamente a suspensão dos direitos dos cidadãos, para que se possa estabelecer a ordem. Sob esta ótica do Estado de exceção, ao menos no plano da teoria do Estado, a temporalidade seria algo intrínseco ao instituto da suspensão dos direitos, pois necessária à recomposição da pacificação social, ainda que, na realidade vivida, essa marca da provisoriedade tenha apenas sido constatada no discurso político. O Estado de exceção presente no século XXI, por outro lado, não interrompe a rotina democrática, mas com ela convive faticamente, apresentando-se como permanente, ainda que seu discurso de justificação seja o mesmo de outrora: extermínio do inimigo que ameaça a sobrevivência estatal. O inimigo nos países latino-americanos tem um traço comum que o particulariza: ele é o pobre e vive na periferia das grandes cidades. Neste pequeno ensaio, faremos um esboço destas questões, a fim de demonstrar que a superação do Estado policial e das formas absolutistas de governo não sucumbiu face aos avanços dos ideais iluministas e das revoluções liberais que instauraram as bases do Estado de direito. Essas formas autoritárias se mantiveram ao longo de todos os períodos históricos subsequentes, sob novas conformações. Utilizamos a denominação autoritarismo líquido para falar dessa nova natureza das medidas de exceção no interior das rotinas democráticas, por se tratar de medidas fragmentadas, cirúrgicas, acionadas sob uma pseudo aparência de legalidade, o que torna sua identificação mais difícil. Chamamos a atenção para o cenário latino-americano, que tem se utilizado da jurisdição como meio de legitimação e de agenciamento do autoritarismo estatal.

 


Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. A política da profanação. Entrevista a Vladimir Safatle. Disponível em . Acesso em: 06 ago.2007.

__________. Estado de exceção. Trad. Iraci D. Poleti. São Paulo: Boitempo, 2004.

__________. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. Trad. Henrique Burgo. Belo Horizonte: UFMG, 2004.

_________. O que resta de Auschwitz. Trad. Selvino Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.

_________. O Reino e a Glória: Homo Sacer II. Trad. Selvino Assmann. São Paulo: Boitempo, 2011. v. 2.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo - o anti-semitismo, instrumento de poder: uma análise dialética. Rio de Janeiro: Imprenta, 1975.

BENJAMIN, Walter. Teses sobre o Conceito de História. In: Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1987. v. 1.

BERCOVICI, Gilberto. Constituição e Estado de Exceção Permanente: Atualidade de Weimar. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2004.

CAVA, Bruno; MENDES, Alexandre. A Vida dos Direitos: violência e modernidade em Focault e Agamben. In: Revista Filosofia Política do Direito AGON. Rio de Janeiro: NPL/AGON Grupo de Estudos, 2008, v. 2.

CHUEIRI, Vera Karam de. Agamben e o estado de exceção como zona de indeterminação entre o político e o jurídico. In: FONSECA, Ricardo Marcelo (Org.). Crítica da modernidade: diálogos com o direito. Florianópolis: Boiteux, 2005.

___________. Nas trilhas de Carl Schimitt (ou nas teias de Kafka): soberania, poder constituinte e democracia (radical). In: FONSECA, Ricardo Marcelo (Org.). Repensando a teoria do Estado. Belo Horizonte: Fórum, 2004.

DERRIDA, Jacques. Força de lei: o “fundamento místico da autoridade”. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2007.

DWORKIN, Ronald. O Império do Direito. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes.

FONSECA, Ricardo Marcelo. BODIN, Jean. 1529-1596 (verbete). In: BARRETO, Vicente de Paulo (Coord.). Dicionário de Filosofia do Direito. São Leopoldo, RS: Editora Unisinos; coedição Editora Renovar, 2006.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Trad. Renata Santini. São Paulo: N1-Edições, 2018.

SCHIMITT, Carl. A crise da democracia parlamentar. Trad. Inês Lohbauer. São Paulo: Scritta, 1996.

__________. O conceito do político. Trad. Álvaro L. M. Valls. Petrópolis:Vozes, 1992.

__________. Teologia Política. Trad. Elisete Antoniuk. Belo Horizonte: Del Rey, 2006.

__________. Teoría de La Constitución. Trad. Francisco Ayala. Salamanca: Alianza Editorial, 2006.

SERRANO, Pedro Estevam Alves Pinto. Autoritarismo e golpes na América Latina: Breve ensaio sobre jurisdição e exceção. São Paulo: Alameda, 2016.

__________. Encarceramento em massa: ineficaz, injusto e antidemocrático. Disponível em https://www.cartacapital.com.br/sociedade/encarceramento-em-massa-ineficaz-injusto-e-antidemocratico. Acesso em: 02 out.2018.

TELES, Edson; SAFATLE, Vladimir (Orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. O inimigo no direito penal. Trad. Sérgio Lamarão. 3. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2525-5096