DISCURSO CIENTÍFICO, ESPAÇO POLÍTICO E DEMOCRACIA NA CONTEMPORANEIDADE

Lucas de Alvarenga Gontijo, Mariana Ferreira Bicalho

Resumo


Este artigo tem por pretensão repensar o espaço político nas democracias contemporâneas. A hipótese a ser sustentada é a de que os indivíduos não agem de forma autêntica, mas submetem seus modos de vida a um conjunto de regrase modelos de vida pré-estabelecidas.A ciência do direito deforma o pensamento e, neste sentido, a própria realidade porque só reconhece se pode formatá-la em seus limites previamente dispostos. Todo novo fenômeno é forçado a enquadrar-se no domínio de um saber a priori.Há uma rede de poder de indivíduos que podem falar sobre determinados assuntos e, por isso, não se permite a qualquer um adentrar na ‘ordem do discurso’, como previu Foucault,porque além de pré-qualificar aquele que pode ser considerado cientista jurídico, é preciso satisfazer certos pré-requisitos de lugar de fala.Com isso, as regras são construídas independentes das pressões sociais, a afastar o direito da arena democrática.

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. A miséria do mundo. 9 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Tradução De Fernando Tomaz. Lisboa: DIFEL, 1989

CALIXTO, Lunara Abadia Gonçalves. Símio verossímil: análise do conto “um relatório para academia”, de Franz Kafka. Revista Estação Literária. Londrina, Vol. 17, p. 62-72, jul. 2016.

DARDOT, Pierre. LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaios sobre a sociedade neoliberal. Trad. Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2016.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. 24 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

HEIDEGGER, Martin. Ciência e pensamento do sentido. In: Ensaios e conferências. Trad. Emmanuel Carneiro Leão, Gilvan Fogel e Márcia Sá Cavalcante Schuback. 5 ed. Petrópolis: Vozes, Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2008.

HEIDEGGER, Martin. Ensaios e conferências. Trad. Emmanuel Carneiro Leão, Gilvan Fogel e Márcia Sá Cavalcante Schuback. 5 ed. Petrópolis: Vozes, Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2008.

HINCAPÍE, Gabriel Méndez. RESTREPO, Ricardo Sanín. La constitución encriptada. Nuevas formas de emancipación del poder global. p. 97-120. Revista de Derechos Humanos y Estudios Sociales, UASLP-UAA-US, n. 8, pp. 97-120, julio – diciembre 2012.

KAFKA, F. Um relatório para uma Academia. Em: Um Médico Rural. Tradução de Modesto Carone. São Paulo: Cia das Letras, 1999.

KAFKA, F. Um relatório para uma Academia. Em: Um médico rural. Tradução de Modesto Carone. 3 ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 57-67

LOPES, Tomás Jobin Coutinho. ROCHA, Fábio LIbório. Ciência, Técnica e pensamento em Heidegger. Caderno Zygmunt Bauman, vol. 7, n. 14, 2017.

LOSURDO, Domenico. Entre a civilização e a barbárie. São Paulo: Anita Garibaldi, 2006

MOUFFE, Chantal. Sobre o político, título original Onthepolitical, tradução de Fernando Santos, São Paulo: Editora Wmf Martins Fontes, 2015.

RESTREPO, Ricardo Sanín. Porqué no Habermas: Del engaño liberal a la democracia radical.Revista de Direitos Fundamentais e Democracia, Curitiba, v. 12, p. 264-284, julho/dezembro de 2012;

RESTREPO, Ricardo Sanín. Teoría Crítica Constitucional. La democracia a la enésima potencia. Valencia: Tirant lo blanch, 2014;

RESTREPO, Ricardo Sanín. Teoría crítica constitucional: rescatando la democracia del liberalismo. 1ª ed. Quito: Corte Constitucional para el Período de Transcion, 2011;

RESTREPO, Ricardo Sanín. Teoría crítica constitucional 2: de existencialismo popular a la verdade de la democracia. 1ª ed. Quito: Corte Constitucional para el Período de Transicion, 2011.

SAFATLE, Vladmir. O circuito dos afetos: Corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo, Belo Horizonte: Autêntica, segunda edição, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2525-5096