REMOÇÃO DO SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL E O DIREITO FUNDAMENTAL À BUSCA DA FELICIDADE: ANÁLISE CRÍTICA A PARTIR DAS HIPÓTESES DA LEI Nº 8.112/90

Camila Facundo Lima, Ricardo Facundo Ferreira Filho

Resumo


Estudam-se os direitos fundamentais, especificamente a possibilidade da utilização do direito fundamental à busca da felicidade como um elemento preponderante e motivador da remoção do servidor público federal. É questão de potencial relevância, considerando a crescente utilização do aludido direito como fundamento de diversas decisões judiciais que versam sobre questões importantes no ordenamento jurídico brasileiro. Assim, pelo estudo da literatura nacional e estrangeira, das hipóteses de remoção prevista na Lei nº 8.112/90 e da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal -  STF e de outros órgãos jurisdicionais, intenta-se fazer uma análise crítica da possibilidade do direito fundamental à busca da felicidade prevalecer quando em confronto com princípios que regem a Administração Pública, ao ponto de motivar a remoção do servidor público federal. A aludida análise revelou que a natureza jurídica de conceito indeterminado do direito em comento dificulta a sua prevalência sobre os princípios afetos ao Poder Público, na medida que prejudicaria a organização administrativa e deixaria a Administração Pública refém dos planos pessoais do servidor. Concluiu-se que deverão prevalecer os princípios da legalidade, da impessoalidade, da eficiência e da prevalência do interesse público sobre o privado.


Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Tradução: Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2003.

BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de direito administrativo. 21ª ed. São Paulo: Malheiros, 2006.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1988.

BRASIL. Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. Diário Oficial da União, Brasília, 18 abr. 1990.

BRASIL. Lei nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993. Dispõe sobre a contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público, nos termos do inciso IX do art. 37 da Constituição Federal, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 9 dez. 1993.

BRASIL. Senado Federal. Proposta de emenda à constituição nº 19, de 7 de julho de 2010. Altera o artigo 6º da Constituição Federal para incluir o direito à busca da Felicidade por cada individuo e pela sociedade, mediante a dotação pelo Estado e pela própria sociedade das adequadas condições de exercício desse direito. Brasília, DF, 2010. Disponível em: . Acesso em 17 dez. 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 4275/DF. Relator: Min. Marco Aurélio. Brasília, DF, 01 março 2018. Disponível em: Acesso em 18 dez. 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Arguição de descumprimento de preceito fundamental nº 132/RJ. Relator: Min. Ayres Britto. Brasília, DF, 5 maio 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Agravo de Instrumento nº 548.146/AM. Relator: Min. Carlos Velloso. Brasília, DF, 22 dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2019.

BRASIL. Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Decisão: 0037301-73.2015.4.01.3400/DF. Juiz federal Bruno Anderson Santos da Silva. Brasília, DF, 28 jan 2016. Disponível em: . Acesso em: 09 jan 2019.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito administrativo. 25ª ed. São Paulo: Atlas, 2012.

CUNHA JÚNIOR, Dirley da. Curso de direito constitucional. 6ª ed. Salvador: Editora Juspodivm, 2012.

EPICURO. Carta sobre a felicidade (a Meneceu). Tradução e apresentação: Álvaro Lorencini; Enzo Del Carratore. São Paulo: Ed. UNESP, 2002.

LEAL, Saul Tourinho. Direito à felicidade: história, teoria, positivação e jurisdição. 2013. 357 f. Tese (Doutorado em Direito Constitucional) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2013. Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2019.

MILL, John Stuart. Utilitarismo. Tradução: Pedro Galvão. Porto: Porto Editora, 2005.

MOREIRA NETO, Diogo Figueiredo. Curso de direito administrativo, parte introdutória, parte geral e parte especial. 16ª Ed. Rio de Janeiro: Método, 2014.

OLIVEIRA, Rafael Carvalho Rezende. Curso de direito administrativo. 4ª ed. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2016.

SOSNOWSKI, Alice. A felicidade, segundo o filósofo Mario Sergio Cortella. 2013. Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2019.

SOUZA, Erik Almeida Rodrigues de; RAMOS, Zélia Maria Xavier; CORDEIRO, Chirley Vanuyre Vianna. Direito à felicidade: análise principiológica e desdobramentos no ordenamento jurídico brasileiro. Revista do Direito Público, Londrina, v. 13, n. 2, p.100-137, ago. 2018. DOI: 10.5433/24157-108104-1.2018v13n2p100. ISSN: 1980-511X.

TIBURI, Márcia Angelita. A felicidade é coletiva. Revista Vida Simples, São Paulo, p. 50-51, 1 maio 2007.

VAN BOVEN, Leaf. Experientialism, materialism, and the pursuit of happiness. Review of General Psychology,Washington, v. 9, n. 2, p. 132-142, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2525-5096