POR QUE OBEDECER A LEIS INJUSTAS? – UM ESTUDO SOBRE A OBEDIÊNCIA EM THOMAS HOBBES E JOHN RAWLS

José Anchieta Silveira

Resumo


Este artigo vai tecer considerações sobre o que leva os cidadãos a obedecerem a leis injustas, a partir dos argumentos teóricos dos filósofos políticos Thomas Hobbes e John Rawls. No sentido de propiciar um entendimento mais amplo sobre a temática, serão feitas discussões sobre o Estado hobbesiano, leis naturais e leis civis, o pacto entre súditos e soberanos, a obrigação de obedecer a leis justas, em que consiste a injustiça de uma lei e quando a desobediência civil se faz legitimar. O trabalho constou de uma pesquisa bibliográfica, a partir da qual procurou-se utilizar o método de análise comparativa entre pontos de vista de filósofos políticos. Concluiu-se que se uma lei advém da concordância entre soberano e comandados, através de um pacto social, ela deve ser obedecida, mesmo que alguns a considerem injusta, afinal ela foi consensuada. No entanto, se o Estado violar o pacto com leis não acordadas, os cidadãos estarão desobrigados de acatar tais determinações.


Texto completo:

PDF

Referências


BOBBIO, Norberto. A teoria das formas de governo. Tradução: Sérgio Bath. 10ª edição. Brasília: UnB, 2002.

___________ Thomas Hobbes. Traducción: Manuel Escriva de Romani. 1ª edición. Barcelona (Espanha): Plaza & Janes Editores, 1991.

BOBBIO, Norberto; e BOVERO, Michelangelo. Sociedade e Estado na Filosofia Política Moderna. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. 4ª edição. São Paulo: Brasiliense, 1996.

HOBBES, Thomas. Leviatã ou matéria forma e poder de um Estado eclesiástico e civil. Tradução: João Paulo Monteiro e Maria Nizza da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

__________ Do Cidadão. Tradução: Renato Janine Ribeiro. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

RAWLS, John. Uma teoria da justiça. Tradução: Almiro Pisetta e Lenita M. R. Esteves. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

STRAUSS, Leo. A filosofia política de Hobbes: suas bases e sua gênese. Tradução: Élcio de Gusmão Verçosa Filho. São Paulo: É Realizações, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2525-5096